Informação Ecociclo

Ecociclo
em números

Visão,
missão, acção

Processo de
reciclagem

Meio
ambiente

Ecociclo em números

Visão, Missão, Acção

Visão
Trabalhamos para sermos reconhecidos como líderes no sector da reciclagem de resíduos de madeira. Queremos que as expectativas e necessidades dos nossos clientes sejam satisfeitas com elevado grau de qualidade, promovendo boas práticas quer a nível empresarial quer a nível ambiental. Perseguimos a melhoria contínua nos nossos processos de trabalho, para que a motivação e a eficiência dos nossos colaboradores seja uma máxima alcançada.

Missão
O nosso objectivo é contribuir ao máximo para a redução da utilização de um recurso natural que está em perigo no nosso país – a madeira. Para isso queremos reciclar a maior quantidade possível de resíduos de madeira, disponíveis quer a nível industrial quer a nível urbano, de forma a evitar a sua deposição em aterro. Assim promovemos o abastecimento contínuo às fábricas
de aglomerado do grupo, contribuindo para o seu desenvolvimento sustentável.

Acção
Colaboramos com todos os que nos contactam, de forma a promover a
reciclagem de madeira e a sua importância para o meio ambiente.
Trabalhamos com um cada vez maior n.º de entidades estatais e empresariais, oferecendo um serviço de qualidade.

Recolhemos de forma rápida, promovendo a devida triagem na origem, para que os resíduos de madeira sejam tratados correctamente.
Recepcionamos nos nossos centros com uma grande amplitude de horários, de forma eficiente e organizada.

Recorremos a uma gestão de logística integrada com as outras unidades da Sonae Arauco, de forma a minimizar emissões de CO2 e custos de transporte.
Investimos em tecnologia de trituração e limpeza para garantir um produto de qualidade homogénea.

Disponibilizamos e adequamos os recursos necessários para melhorar continuamente o ambiente de trabalho, promovendo a satisfação profissional, prevenindo a sinistralidade e garantido boas condições de segurança e saúde
aos nossos colaboradores e prestadores de serviços. Também investimos em formação para que os nossos colaboradores sejam os melhores no mercado
dos resíduos.

Processo de reciclagem

Os resíduos de madeira são, por norma, de grande volume e por isso mesmo com um custo de transporte elevado. Este factor contribuiu para que os centros de reciclagem da Ecociclo se situassem junto da origem deste tipo de resíduos, na periferia das grandes cidades.
Só desta maneira, as empresas podem considerar entregar os seus resíduos para um destino ambientalmente correcto, quer pelos seus próprios meios, quer com o nosso serviço de movimentação de contentores.

Para que os resíduos sejam transformados em estilha reciclada, matéria-prima para a indústria dos aglomerados de partículas de madeira, devem seguir um processo de triagem, classificação segundo a Lista Europeia de Resíduos, trituração e expedição.

O processo consta das seguintes etapas:

1
Separação dos resíduos de madeira e acumulação na origem. Recolha em contentores próprios, transporte e recepção no centro de tratamento.
2
Classificação por tipos de resíduos e por destino. Limpeza / separação de contaminantes não ferrosos (cartão, plástico, vidro, materiais de construção, texteis, etc.).
3
Pré-trituração e primeira separação magnética de metais ferrosos. Estilhagem e segunda separação magnética de metais ferrosos.
4
Crivagem e separação de finos (serrim) e grossos (reintroduzidos no processo). Carga da estilha em camiões e transporte para o destino (fábrica de aglomerados de madeira).

Meio ambiente

Os reciclados que a Sonae Arauco incorporam na Península Ibérica são equivalentes á produção de uma floresta com uma área de 102 mil hectares.

Contribuímos para uma grande poupança energética no fabrico de aglomerado, uma vez que a estilha reciclada tem uma baixa percentagem de humidade, sendo necessária muito menos energia para a sua secagem em comparação com a madeira virgem.

Recorremos a uma gestão de logística integrada com as outras unidades da Sonae Arauco, de forma a minimizar emissões de CO2.

Contribuímos para o prolongamento da vida útil da madeira, fixando assim uma maior percentagem de CO2, enquanto que o destino mais comum – a queima – liberta este mesmo gás.